jusbrasil.com.br
22 de Setembro de 2017

Chocolate, páscoa e trabalho infantil: Conheça as sete marcas de chocolate que utilizam trabalho escravo infantil

Crianças entre os 11 e os 16 anos (por vezes até mais novas) são fechadas em plantações isoladas, onde trabalham de 80 a 100 horas por semana. O documentário Slavery: A Global Investigation (Escravidão: Uma Investigação Global) entrevistou crianças que foram libertadas.

Camila Vaz, Advogado
Publicado por Camila Vaz
há 2 anos

Pascoa Conhea as sete marcas de chocolate que utilizam trabalho escravo infantil

Em setembro de 2015, foi apresentada uma ação judicial contra a Mars, a Nestlé e a Hershey alegando que estas estavam a enganar os consumidores que "sem querer" estavam a financiar o negócio do trabalho escravo infantil do chocolate na África Ocidental.

Crianças entre os 11 e os 16 anos (por vezes até mais novas) são fechadas em plantações isoladas, onde trabalham de 80 a 100 horas por semana. O documentário Slavery: A Global Investigation (Escravidão: Uma Investigação Global) entrevistou crianças que foram libertadas, que contaram que frequentemente lhes davam murros e lhes batiam com cintos e chicotes. "Os espancamentos eram uma parte da minha vida", contou Aly Diabate, uma destas crianças libertadas. "Sempre que te carregavam com sacos [de grãos de cacau] e caías enquanto os transportavas, ninguém te ajudava. Em vez disso, batiam-te e batiam-te até que te levantasses de novo."Em 2001, a FDA queria aprovar uma legislação para a aplicação do selo “slave free” (sem trabalho escravo) nos rótulos das embalagens. Antes da legislação ser votada, a indústria do chocolate - incluindo a Nestlé, a Hershey e a Mars - usou o seu dinheiro para a parar, prometendo acabar com o trabalho escravo infantil das suas empresas até 2005. Este prazo tem sido repetidamente adiado, sendo de momento a meta até 2020. Enquanto isto, o número de crianças que trabalham na indústria do cacau aumentou 51% entre 2009 e 2014, segundo um relatório de julho de 2015 da Universidade Tulane.

Como uma das crianças libertadas disse: "Vocês desfrutam de algo que foi feito com o meu sofrimento. Trabalhei duro para eles, sem nenhum benefício. Estão a comer a minha carne."

As 7 marcas de chocolate que utilizam cacau proveniente de trabalho escravo infantil são:

  1. Hershey
  2. Mars
  3. Nestlé
  4. ADM Cocoa
  5. Godiva
  6. Fowler’s Chocolate
  7. Kraft

Assista ao documentário “O lado negro do chocolate” aqui.

Fonte: Oplanetaquetemos

63 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

E a fiscalização tá fazendo o quê?? continuar lendo

Curtindo a bebedeira patrocinada pelas firmas acima. continuar lendo

Que o homem é ganancioso não é novidade. Vincular isso a capitalismo não faz sentido. É a natureza do homem. Não temos homens que se chamam socialistas no Brasil que roubaram bilhões de reais do dinheiro do povo? Ou não é "lucro" quando a gente rouba o dinheiro do povo? Assim é mais aceitável?

A solução em todos estes casos é ter boas leis que punem os abusos. Mas quando estas leis são aplicadas contra os bons homens no Brasil que roubaram o dinheiro do povo (que faz falta na saúde e outros serviços públicos de péssima qualidade), é chamado de golpe da oposição! Já li um amigo que o Juiz Moro é o líder deste golpe!

Então, não é solução chamar qualquer abuso de "capitalismo". Isso só serve para os que acham que os corruptos do seu gosto são heróis da pátria. A solução é ter boas leis que são aplicadas a todos, sem distinção de partido! continuar lendo

O problema não é sistema econômico mas sim os homens por detrás de algumas empresas. Um gestor que não verifica a origem e a forma de produção da matéria prima que compra é o "Homem" que produz e reproduz a desumanidade. Se as empresas se negarem, por via de seus gestores, a comprarem matéria prima com esta origem, o circulo estaria rompido. Afinal, o sistema é feito de homens que têm identidade, famílias, mães que lhes ensinaram os valores, endereço e nacionalidade. continuar lendo

Sabe este é um tema onde podemos aplicar a palavra chamada coerência. Podemos ser coerentes com a lógica de que ao comprar algo produzido a partir de trabalho escravo, estamos apoiando , patrocinando, estimulando o trabalho escravo. A definição de coerente é alguém ou algo que contém coerência e coesão, ou seja, age e é permeado com lógica e autenticidade. Quem comprar estas marcas é a favor do trabalho escravo, não sou eu que digo , é a lógica. Vai substituir por chocolate caseiro? Não sei se quem fez usou estas marcas, difícil, mas não impossível. Para demonstrar há 20 anos uma campanha contra comprar atum porque a pesca incluía matar golfinhos, levou a uma queda de vendas tão significativa que a indústria precisou desenvolver modos de pesca sem comprometer os golfinhos. Popularmente "precisa doer no bolso"... continuar lendo

Faço as suas palavras, extensões das minhas. continuar lendo